DESISTÊNCIA (leni)

Para que insistir, se não existe sonho ?

Para que sofrer mais, se não existe nada ?

Quero apenas viver… e isso é tão difícil ?

Quero apenas amar, agora, e ser amada…

Quero o vento de outono, penteando de leve

meu cabelo escuro.

Quero o sol da manhã, penetrando em minh’alma,

coração e mente.

Quero a chuva, molhando meus pés na calçada,

com seus pingos quentes.

Sei que está tão distante, embora tão presente.

Te procuro, não vejo. Te solicito, me negas.

Nada mais temos enfim, a nos dizer agora.

Quero falar, não consigo,

quero sonhar, não me atrevo.

Fechei a vida, me negando sonhos,

nessa eterna clausura de teus sentimentos.

Quero abrir essas portas, para ver se inda há sol.

Quero amar, quero sorrir,

quero viver, enfim…

quero gostar de mim.

Duas flores despertam, desabrocham pra vida

e eu devo cuidar, pra que não murchem cedo.

Não posso definhar, esperando sentada esse amor tão incerto.

Não posso caminhar,

não vendo ao meu redor, você…que me sorria…

Quero parar agora e acender a chama de amor,

que ainda brilha…

Quero entregar à você, que procuro na noite

escura dos meus sonnhos…

à você, que me envolve e também me procura.

Estou desencantada, sem alento algum

pra prosseguir na vida.

Vou resistir, sem medo, a dor que se aproxima.

Vou te esquecer, se puder…

vou ver se sigo em frente

sentindo o gosto amargo, do fruto que secou

em minha vida e mente