SONO DE POETA (leni)

Mergulhado em seus poemas,
ele repousa…tranquilo…
com um semblante sereno,
de quem navega em seus sonhos,
ele dorme…docemente…

Como é triste a sua vida !
como palhaço, no palco,
representa noite e dia
semeando em seus poemas,
o seu mundo imaginário.

Ele dorme…deixe que o faça…
Não o perturbe, pois sonhando,
está em seu mundo ilusório
e nesse estágio, é feliz
e sua paz é completa.

Não o traga para a vida
pois é triste a realidade,
quando se é um poeta…

———-o0o———-

Anúncios

DESABAFO (leni)

Ontem, chorei…
chorei de solidão, chorei de ingratidão,
chorei de rejeição,
chorei até a exaustão…

Chorei de incredulidade, diante da realidade.
Chorei por tudo e por todos.
Chorei por todas as mães
e por toda a humanidade…
chorei por necessidade…

Chorei também de saudade,
pelo que nem cheguei ter!
Chorei pelo que já tive
e deixei pelos caminhos…
pela falta do meu ninho…

Pela falta de atitude,
pela falta de coragem e também de ousadia
pra recomeçar a vida…
Agora, sou dividida!
Meio ontem, meio agora,
meio noite, meio dia.

Não sei mais como ir embora
e retomar meu caminho.
A noite já se aproxima
e o dia está indo embora,
levando consigo, tudo que consegui vida afora.

Quantas coisas desprezei…
tantas outras, nem tentei !
Por isso tudo, lamento,
por isso tudo, padeço,
por isso, ontem chorei…

———-o0o———-

ILUSÃO (Leni)

Eu esperei em vão, naquela noite fria,
tão escura noite !
As badaladas tristes, do relógio velho
relembravam sempre teu carinho ausente,
acordando, assim, o meu olhar parado,
que tranquilamente, sem chorar, dormia.

Eu esperei em vão, naquela noite fria,
tão escura noite!
e pressentia sempre, num delírio louco, teus passos chegando
e corria então, alucinadamente, ao teu bendito encontro.
E na cruel corrida, deparava sempre com a realidade,
que de olhar severo, cínica e maldosa, sem sorrir, me olhava.

Sem esperança e sonhos, a sentir a dor de uma esperança morta,
adormeci chorando, na imensa penumbra da sala vazia
pra no outro dia acordar sorrindo, para novos sonhos
e esse amor perdido, esperar, em vão, em outras noites frias.