DESPEDIDA (Leni)

O teu rastro ficou marcado em meu caminho.
Em minha vida, um sofrimento eterno,
de uma ilusão que se desfez em pranto.
Ave estranha, que invadiu meu ninho.

Um ribombar insiste agora em meus ouvidos
de melodia inacabada e triste
tocando ao longe, num cortejo estranho.
Gritos sem volta…soluços contidos…

Quero sonhar a noite – quem me dera –
Espero o dia, que se foi há pouco.
Que me desculpe o mundo, ou quem me chama.
Quero partir, pois ninguém mais me espera

ESPERA (J G de Araújo Jorge)

Se tivesses mandado uma palavra -“Espera”-
Sem mais nada…nem mesmo dizer até quando
eu teria ficado até hoje esperando
era a eterna ilusão de que foras sincera.

Que importaria a vida, o sol, a primavera,
se tu eras a vida…o sol…a flor desabrochando…
se tivesses mandado uma palavra -“Espera”-
eu teria ficado até hoje esperando.

Não mandaste…tu nada disseste e eu segui,
sem saber que fazer da vida que era tua,
procurando com o mundo, esquecer-me de ti.

Porém, o destino, irônico e mordaz,
ontem fez-me cruzar com teu olhar na rua,
ouvir-te dizer -“Espera”-
e ser tarde demais…-