TRISTE MANHÃ (Leni)

Nesta manhã…sem vida, amanhecí vazia
e nem sol existia, em meus olhos de inverno
e nem vida em meus sonhos, calor em meus lábios.
Já nada mais havia, na triste manhã…
louca manhã sem sol, manhã sem poesia.

Nem a lua, que ontem brilhava, sorrindo,
possuia também o esplendor tão profundo
que nas noites sem vida, acalentou meu mundo.

E calada…fiquei observando o nada
que em mim penetrou, na infeliz madrugada
quando o sol se escondeu e me deixou chorando,
pensativa e sozinha.

E sem você, sem sonho, a procurar alento,
eu chorei… e nem viver sequer mais, eu queria.
Sem alento, calada, solucei perdida.
E na manhã vazia…amanhecí sem vida.

Anúncios

MEU SEGREDO (Leni)

Se eu te dissesse que na noite escura
vejo teus olhos para mim brilhando,
e que na noite densa, que não finda,
teus lábios sinto, num perene encanto,
tu saberias do amor que agora sinto
e em mim, verias tu…se eu te dissesse…

Se tu soubesses que no inverno, triste,
o teu calor me acompanha e aquece,
e a minh’alma, que de amor chorava,
de solidão, agora não padece,
tu saberias do amor, que agora sinto
e em mim, verias tu…se eu te dissesse…

Se eu te pudesse confessar o pranto,
que nas horas amargas, por tí choro
e os momentos de dor, que me sufocam
nas longas horas, quando estás ausente,
tu saberias do amor, que agora sinto
e em mim, verias tu…se eu te dissesse…

Porém, não posso confessar-te agora
porque se tu soubesses, sofrerias
por não poder me amar completamente
então não falo e sofro só…calada…
e não desejo ouvir o que dirias,
se desse amor, um dia…eu te dissesse