PARALELOS (leni)

Você e eu…
dois corpos e dois temas
soltos no tempo e no mesmo espaço
seguindo sempre por caminho incerto
vidas partidas por quilômetros de passos…

Você e eu…
dois sonhos, duas rimas
dois pensamentos presos em dois temas
vagando errantes pelo infinito
somos versos incompletos, sem formar poema…

Você e eu…
dois mundos…infinito…
se procurando, sem poder se achar
distanciando-se sempre em seus caminhos
correndo juntos, sem nunca se alcançar…

Caminhamos em ângulos opostos
somos dois paralelos…dois fantoches…
Você e eu…
uma ilusão…duas saudades…

———-o0o———-

Anúncios

DÚVIDA ( leni )

Já nem sei mais dizer se te amo…ou amei…
pois não sinto pulsar em minh’alma dorida,
alegrias que outrora, incessantes brincavam
em meus sonhos, sentido tua voz querida

Já não brilha em meus olhos, a mesma chama ardente
que outrora brilhava em minhas noites frias
e a vida, que um dia, senti palpitante,
não possui mais amor, eu a tenho vazia…

E nem sei explicar essa louca mudança,
se meus sonhos, banhados de amor e esperança
procuravam teus olhos tão puros e calmos
numa ânsia de amor, te buscando, e ora vejo
tudo isso ruindo…

E assim, num lampejo, esse amor que era meu,
destruido…acabado…

Eu queria voltar a te amar loucamente
e vibrar ao ouvir tuas frases queridas
que me traziam paz e me prendiam a vida
e perder-me em teus braços, sonhadora e amante,
esquecendo do mundo e dessa vida errante…

Mas, amor como antes, sentir já não posso
e prossigo chorando e solidão sentindo
em meus olhos de inverno tão frios e tristes.

E sem ninguém no mundo, sigo a triste jornada.
E num lugar qualquer, em qualquer uma estrada,
vou parar e morrer…
pois sentí que no mundo, dessa vida mesquinha,
já não tenho mais nada…

FEBRE DE AMOR ( leni )

Eu pensei que pudesse esquecer teu carinho
e nunca mais sentir dentro em mim, a ilusão
que nasceu e ora vive esmagando-me a vida
num constante sofrer, em meus olhos vazios.

Eu pensei que na vida outro alento encontrasse
e nunca mais voltasse a sentir o que sinto
e nunca mais sofresse por teu amor ingrato,
e por você, meu bem, eu nunca mais chorasse.

Eu pensei…e lutei…pois queria esquecer
o amor impossível que em mim despertara
e aos poucos crescera…e então, como espinho,
os meus sonhos de amor um a um, sufocara.

Mas eu não consegui afastar de meus sonhos
essa febre de amor que com fúria invadia
transtornando minh’alma, pensamento e vida
e não pude retê-la…e por ela morria.

Por esse amor sofrendo, vou seguindo sozinha
procurando consolo em meus olhos tristonhos
e voltarei chorando à minha triste estrada,
a andar, como sempre, em caminhos de sonhos…

DECLARAÇÃO (Leni)

Hoje o céu está triste, sem lua, vazio…
Mesmo a estrela mais linda, escondeu…sente frio…
esse frio que em mim, também fere e espanta
Já não vejo mais nada que alegra ou encanta,
pois me falta você, esse rosto querido,
essas mãos de ternura, esses olhos tão doces
esse sorriso meigo, que me faz contente…

Tudo isso sumiu… e assim, num repente,
tudo isso fugiu…
Minhas mãos, que estavam nas suas, coladas,
ficaram sozinha, vazias, paradas…
e meus olhos chorando, procuram ao redor
esse alguem que me falta,
esse alguem que me ama, e faz de meus versos um sonho de amor.

Mas não vê, não encontra, e sigo tristonha,
sabendo que o alguem que me falta é você.
Então paro…
Não posso…não quero seguir caminhando sozinha…
sentindo esse frio, esse vento vazio,
essa noite escura, esse canto sombrio,
esse embalo sem canto, esse céu sem carinho,
essas folhas sem vida, esse tudo sem nada…

E sentindo um vazio, em prece calada,
eu só penso em você…e só você eu vejo,
implorando aos céus esses muitos desejos,
que são necessários à minha jornada.

Meu amor é tão grande…imenso…profundo,
que se um dia qualquer,
eu sorrindo, ou chorando, partir desse mundo,
ouvirás mesmo assim, minhas frases de amor,
no sussurro do vento, no farfalhar das folhas,
no cantar de uma ave, no céu, no infinito…
ouvirás como um eco,
essa voz, que talvez, pra você esteja morta…
num lamento sentido, como um acalanto,
virá repousar em tu’alma, num canto
e esse canto dorido, essa voz esquecida,
dirá que fui eu quem mais te amou na vida!