S.O.S. (leni)

Não estou mais em teus sonhos,
nem sequer em tua vida desejas minha presença.
Não estou mais em teus planos,
mas, como sombra, insisto, em perseguir os teus passos.

Não percebes meu calor, não sentes minha tristeza.
Não vês, em meus olhos, pranto.
Em mim, já não vês mais nada,
pois feito sombra, em penumbra,
estou sem luz, apagada…

Não quero viver das cinzas,
e nem mais me rastejar.
Nunca mais quero te amar ,
nem mendigar teu carinho.

Vou encontrar  novo amor, que saiba me admirar
Que como eu, também queira, viver plenamente a vida
e não ficar definhando no coração de ninguém.
Viver minha plenitude, desfrutar a juventude,
pois ela é tão passageira!

Se alguém me quiser assim,
por favor, que me procure.
É um S.O.S. de amor
de alguém que  acordou agora,despertou de um pesadelo,
e precisa de carinho

VÔO SEM RUMO (leni)

Queria voar bem longe…tão longe quanto possível…
Queria ir bem mais longe do que pensei conseguir.
Ir além do infinito, do sonho, do horizonte,
ir buscar no imaginário,
o outro lado da vida, esquecido e abandonado.

Queria poder buscar o tesouro escondido no pote da eternidade.
Onde a vida é bem mais longa e todos correm, sem rumo,
atrás da felicidade.

A noite, nos cobra sonhos…
O sol, a dignidade…
A vida, nos cobra, em dobro, a tal da cumplicidade

E assim, seguimos em frente, sem saber o rumo certo.
E vamos nos contentando, cada um, no seu deserto.
Até chegar o momento, que, bem mais longe daqui,
veremos tudo de perto !
Traçando nossos caminhos…
sabendo – mesmo sem rumo –
que o  mais longe… é bem mais perto..

APENAS SONHOS (leni)

Era outono…e eu seguia
em busca de um velho sonho.
Andei caminhos e trilhas, que nem me lembrava mais.
Entrei em rios, cavernas, passei por mares e fontes
fui por estradas errantes, que jurei nunca passar !

Mas, fui…em busca da vida, do sol, do sonho esperado
promessa, em forma de sonho
sonho de amor do passado.

Cheguei tarde, mas…cheguei.
O sol, o amor, a promessa haviam se esfumaçado
nas trilhas, por onde eu fui…

Mas, cheguei…e enfim, cansada,
voltei sem encontrar nada !
Era sonho…era quimera…
A vida, o sol, a esperança, era um sonho de criança,
sonhado na primavera…

DESENCANTO (leni)

Quanta ilusão, na vida que sonhei, outrora
quanta mentira existe, solta aos quatro cantos
desse mundo louco !
Foi tanto amor que eu dei, que fiquei sem nenhum
para viver agora…

mas, num delírio louco, eu bendigo o amor,
mas ninguém me escuta
e ridicularizam meu canto vazio,
tão vazio de amor, mas, de ilusão, repleto…
ilusão que o envolve e o torna sombrio.

Em meus olhos, há rastros profundos de pranto,
há desespero e mágua em meu triste poema
já despido de sonho e vazio de canto.

Sairei pelo mundo, a procura do amor, para ver se ele existe
e à ele, entregarei este verso sem rima,
que agora, descrente, componho em seu louvor.

E caso eu o encontre, em um canto de amor,
sincero e mais profundo,
bendirei esse amor, divino e puro amor,
até o fim do mundo…

SÚPLICA (leni)

Quando se está só, no mundo,
como o lamento tem eco !
Como nosso “ai” profundo, se espalha pelo caminho

Profunda, é minha tristeza,
vazia, minha esperança…
juras e juras, perdidas na amplidão desse universo.

Quando se está só, no mundo,
como o lamento tem eco !
um eco triste e sem graça, que vai, e volta sozinho.

Vazia está minha vida,
escuro, o caminho incerto,
floresta negra e sombria, leva meu corpo ao deserto…

Por favor, ouçam meu grito,
escutem todos, o eco
dessa voz rouca e aflita, senão, eu morro, por Deus !

Senão, o espaço me assusta…
É muito só, meu caminho.
Não deixem que esse eco vá, e retorne sozinho…

DESPERTAR SOMBRIO ( leni)

Amanheceu…e a noite ainda existe em minha pobre vida
mas, nem sequer percebo, pois, adormecida e muda,
estou olhando o vazio, que deixaste, sem pena
em minh’alma, inspirando este triste poema…

Amanheceu…e a noite ainda existe em minha pobre vida
e todo esse silêncio me fala de você.
A chuva, que ora ouço, o farfalhar das folhas,
até mesmo o relógio, que naquela parede badalava incessante,
contando os minutos, em que deslumbrada,
esperava você, que chegava sorrindo, e ao sentir-me em teus braços, docemente envolvida,
esquecia da longa espera, tão sofrida
e da eterna solidão que eu estava sentindo.

Amanheceu…e a noite ainda existe em minha pobre vida
mas não quero…não posso…não devo pensar
quero ficar alheia e bem distante da cruel realidade…
não me deixe saber e nem sequer prever,
que já não é mais  noite e a manhã já chegou;
pois sentindo essa dor imensa da verdade,
tenho medo que assim, desesperada e perdida
diante dessa vida,  eu venha enfraquecer
e ouvindo o silêncio, que tão alto chora,
sentindo a tua ausência,
essa escura manhã, me   veja enlouquecer..