ETERNA ROSA DOS VENTOS (leni)

Cheiro de terra molhada…um vento arrastando folhas,
um sino sempre entoando um canto de liberdade
num mosteiro solitário…
A chuva caindo em prata
no chão coberto de folhas.

Sol vermelho, despedindo do campo em final de dia…
colorindo o universo com as cores do arco íris
Aves, sempre em revoada pra encontrar seu descanso
Terra, onde plantei meus sonhos
que se confundem com a lua.

A noite se aproxima, mas o dia continua
se recusa a ir embora!
Panorama de saudade da infância que me acompanha.

Menina, meus pés descalços, sentindo a terra molhada,
depois que a chuva caiu.
Nostalgia das lembranças com cheiro de liberdade.
Desperta minha saudade…sacia meu coração…

Aguça tantas lembranças, num misto de sentimentos
que só tem quem pisa aqui.
Quero me plantar na terra, montanhas e cachoeiras
e ficar a vida inteira entrelaçada com o vento
perpetuando os momentos desse mágico lugar.

Tudo por aqui fascina…Toquinho, Amora, Menina
com a ternura da Nina…e os dengos do Jatobá
numa constante harmonia, entre montanhas e vales…
muitas redes na varanda e os cantos de Joáo Bá.

A lua, é prata incrustada nesse incrível firmamento
e a beleza pura e rara das tardes nas cachoeiras,
das noites entre fogueiras

Quero me plantar nas matas com cheiro de hortelã
e acordar impregnada com perfume de alecrim
anoitecer iluminada pelo ” sol” dos vagalumes
e amanhecer com o canto dos pássaros só pra mim

Tudo isso existe aqui… tudo isso só se vive
entrelaçado a momentos
de magia, que se encontram nesse mágico lugar…
de sonhos e encantamentos…
que se enraízam e eternizam
na eterna Rosa dos Ventos.

EU DISSE ADEUS…!! ( Leni )

Nem sei como consegui…
Nem eu acreditei quando escutei meus lábios
te dizendo…adeus !
Ensaiei tantas vezes…mas faltou coragem
de romper com esse amor que só em mim ardia
e a dor humilhante dessa rejeição que só me consumia.
Me faltava coragem pra te deixar partir…!
Desmoronaram meus sonhos, morreu minha esperança
ao me despedir de tudo que tanto sonhei!
mas definitiva e corajosamente, eu disse…adeus!
E ví virar o jogo…
Agora era você que me pedia colo
pra enfrentar a dor que alí te consumia.
Na imaginação, preparei tantas vezes esse triste encontro.
Só contei para meus lábios
o que eles precisavam dizer, assim que te encontrassem.
Não disse nada aos meus olhos
porque se soubessem antes, me trairiam…chorando…
quando estivéssemos frente a frente.
Fui resoluta e forte ao teu encontro
e assim que te ví, meus lábios corajosos e trêmulos,
disseram a palavra que você não esperava.
Meus olhos, sem esperar por isso, choravam
minhas pernas, a quem nada dissera,
tremiam, sem acreditar no que presenciavam.
Só eu e meus lábios enfrentamos teu olhar incrédulo
e sem saber o que dizer, teus olhos, solidários aos meus
também choravam…
Convencí minhas pernas a me levarem de volta
e pedí para meus olhos não olharem para trás
e fomos…caminhando firmes,
até nos perdermos na penumbra da noite.
E nunca mais ficamos frente a frente.
Foi difícil caminhar sozinha, sem você presente
mas foi melhor assim…trilhar sozinha a estrada,
do que sofrer a dor de mendigar amor
e não sentir-se amada…
———-o0o———–

ESTRANHA SAUDADE ( Leni )

Que saudade é essa
que me sangra o peito e me corrói a alma ?!
Que estranhas lembranças
invadem meus sonhos, percorrem minh’alma !
Que dor mais doída,
essa que me acompanha em noites mal dormidas !

Será de um tempo que eu nunca vivi ?
mas queria tanto…!
ou será da vida que tive e perdí ?
triste desencanto…!

Tento não lembrar esse profundo abismo,
sentimento insano…
mas quando adormeço, fica mais intensa
a dor dessa verdade
e revive a história que deixei num tempo
que ficou distante…

Será que é saudade de antigos sonhos,
que nunca vivi?
Ou, talvez, lembranças de um feliz passado,
que nem conheci?

Restos de saudade…de uma promessa de felicidade
que perdí no tempo e nem sequer vivi…
É uma falta que nem sei do que
uma saudade que nem sei de onde
é nostalgia que me tira a calma…
que me sangra o peito e me corrói a alma…

———-o0o———-

O AMOR ESTAVA TÃO PERTO ! (Leni)

Só agora compreendí…
que a vida não tem retorno
que os sonhos se realizam, se guardados na lembrança
e maturados na alma…

Só agora compreendí…
que o amor tem muitas formas de entrar em nossa vida
pra alegrar nosso caminho e aguçar nossa esperança.
Chega expontâneo e sereno, como riso de criança.

Só agora compreendí…
que sonho não tem limite
e a felicidade existe e está perto…muito perto…
das nossas longas jornadas.

Só agora compreendí…
que teu amor era tudo, que enriquecia meu mundo
e era som em meu silêncio.
E isso tudo era vida
tudo isso era verdade…

Mas o que antes foi sonho, tornou-se, agora, saudade
de um mundo tão mais bonito
que me escapou, nem sentí…
E a vida que era tão minha, voou para bem distante
levou consigo momentos especiais, tão marcantes,
que não consegui guardar.

Por muito querer viver,
me perdí pelos caminhos
e fiquei só…e pequena
sofrendo com minhas penas, a saudade do meu ninho
da vida, tão cobiçada, que ví desaparecer…

Ficou tudo muito longe dos sonhos que acreditei
do amor que eu tanto sonhei!
Mas se foi…já não tem volta…
quis demais…pensei ter pouco…
sonhei tanto e como louco,
me debrucei na conquista do muito… e tudo perdí…

Porque o amor chega calmo, silencioso e discreto
e esteve sempre tão perto, mas não o reconhecí !
Não me sinto fracassada
sei que amei e fui amada
e pra realizar meus sonhos, estive perto…tão perto…
mas troquei o que era certo, por insanos devaneios
segui, fugaz e sem freio, cobiçando com anseio
o que eu não podia ter…
tolo fui…paguei o preço…
por tudo isso, padeço…
mas pra meu pesar eterno,
só agora compreendí…

———-o0o———-

PARA LACY D’ARAÚJO (Leni)

Sob um luar prateado, cobrindo de luz e prata
as folhagens das palmeiras da cidade de Manaus,
nasceu um pequeno cisne, de alvacentas plumagens,
que sonhava nadar longe…muito além do Amazonas.
E partiu para seu sonho, lá em Manacapurú.

O cisne nadou pra longe, acompanhado dos planos…
Nos rios, barcos partiam, levando tanta esperança!
E a menina-cisne branco ia repleta de sonhos,
ajudando a quem quisesse sair da escuridão,
clareando a mente e a vida de tantos quantos pudesse
levando sonho e esperança, afastando a cegueira
de tantos, que viam a luz através de seus ensinos.

Mas esse cisne incansável nadou para Coarí
e ensinou a tanta gente, a incansável Lacy…!
Um certo dia encontrou outro cisne em seu caminho
Não duvidou…era êle!
No coração, a certeza…na alma, a felicidade…
olhares se incendiaram de amor, assim que cruzaram
e logo logo, seriam, enfeitando a natureza,
dois cisnes brancos nadando pelas águas de Manaus.

Aquela ingênua menina, valente e tão sonhadora,
agora, plena de amor,
luta ao lado do marido, que guerreiro enfrenta a vida
tão valente quanto ela, em busca de seus caminhos.
Depois de lutas e planos,
chega seu primeiro filho…
o segundo…o terceiro…

Os cisnes, agora, passam por muitas tribulações
o barco que navegava, ameaçava afundar
mas ela, sempre remando, pra não perder seus filhotes,
navegava resoluta pelos rios do Amazonas.

Equilibrou o seu barco pelas águas turbulentas
e chegou mais uma filha…
Esta, “filha da promessa”…para equilibrar o barco.
Criou todos com amor e imensa dedicação.
Mas um dia, um deles voou para o céu, …para o infinito…
pra um lugar bem mais bonito, reservado por Jesus.

As águas do rio, sangraram com a lágrima dos cisnes
que ainda nadando juntos, lutavam por outros três.
Essa mulher valorosa, pondo em Cristo a esperança,
voltou a chorar seu pranto pelo cisne-companheiro
que agora nadava longe, distante de suas águas
e por seu primeiro filho, que desviando da rota,
navegou por outros rios.

E aquela menina ingênua, agora mulher de lutas
e de imensas vitórias…
trouxe, com sabedoria, seu filho de volta ao ninho.
Continuou no caminho, teve lutas e vitórias…
e nadou, pra buscar de volta, seu parceiro, que distante,
navegava em outros rios…
e voltou, recompensada, com os seus quatro tesouros
pra comemorar feliz as suas bodas de ouro…

Nadou feliz, e venceu !
Os sonhos do coração, que já havia esquecido,
por Cristo foram lembrados
e todos – de um a um -, foram assim compartilhados
pela família unida, que agora estava completa
com filhos…netos…bisnetos…
todos vivendo repletos de amor e cumplicidade.

E agora, depois de tudo, dos sonhos realizados,
seu amor – o cisne branco -, foi morar juntinho ao Pai.
E ela, agora sozinha, mas carregando a certeza
de um dia nadarem juntos, lado a lado, novamente
nas águas sem correnteza e claras do infinito.
O cisne branco-menina, sozinha, mas confiante,
nada agora, pra encontrar com seu amor que partiu.
“E o cisne vivo, cheio de saudade…”
espera o dia…e sabe que é verdade,
que em outro rio, transparente e calmo
de águas tão claras, lá na eternidade,
chegará com plumagens renovadas
e entrará na Glória…triunfante…
para viver ao lado do seu cisne…

———-o0o———-

SERIA MESMO A VIDA ? (J.G.DE ARAÚJO JORGE)

Agora que nos encontramos,
de repente compreendemos
que estávamos sozinhos…Que importa o que vivemos?
Que importa o que passamos?
Seria mesmo vida, a vida que levamos
por diferentes caminhos?
Agora que nos encontramos,
que te quero e que me queres
com uma força jamais pressentida…
Parece incrível, que eu já tenha
falado de amor a outras mulheres
e que antes de mim, pudesse ter havido
algum amor em tua vida…

———-o0o———-

PARA MEU NETO (leni)

Essa coisinha miúda, que atravessou meu caminho,
e chegou como uma estrela, com muita luz, tanto brilho!
Que vem com seu jeito próprio de ser feliz e viver…
É um raio de esperança
É tão feliz…é criança…
É como chuva fininha, que cai e acalma o calor.

Tem um rosto iluminado, que minhas mágoas espanta.
Enxuga minha tristeza, acende minha alegria,
nem percebe, mas, me encanta, quando fala, distraído,
quando me chama “vovó”.

Estou falando de sonho, de amor, de um mundo encantado.
Estou falando de vida, de um ser tão pequenininho,
que me inunda de alegria e faz feliz meu caminho.

Ele é minha estrela guia.
Ele é o sopro de vida que faltava em minha vida !
É o sonho que renasce, brotando na esperança desse rosto de criança,
que chegou sem avisar,
mas chegou na hora certa, alegrando meu caminho
Esse eterno passarinho, voando por trilha certa, eternizando meus sonhos
reavivando a esperança…

Não pede nada, só doa…só precisa ser amado
esse ser abençoado, que chegou para somar.
Fruto de amor, semeado, adubado com carinho,
chegou pra nos dar certeza que vale a pena sonhar.

Do amor, ele é o fruto…da “Luana”, o “bisunguinho”…
de todos nós, a alegria
e como ele mesmo se chama,
“Flavinho Siqueira Filhinho”

———-o0o———-